Deprecated: Non-static method JSite::getMenu() should not be called statically, assuming $this from incompatible context in /home/saloanoticias/www/templates/saloa_noticias/lib/framework/helper.layout.php on line 109

Deprecated: Non-static method JApplication::getMenu() should not be called statically, assuming $this from incompatible context in /home/saloanoticias/www/includes/application.php on line 536

CAMINHONEIROS CRITICAM SINDICATOS E DIZEM QUE CONTINUARÃO PARADOS

  • Publicado em Sexta, 25 Maio 2018 08:21
  • Escrito por Saloá Notícias
Tamanho do texto:

274950,475,80,0,0,475,365,0,0,0,0Caminhoneiros autônomos parados nas rodovias brasileiras disseram, após a divulgação do acordo do governo e oito entidades da categoria, que não acabarão com a greve. "Os supostos sindicatos que estão negociando não representam os caminhoneiros que estão na rua", disse o motorista Aguinaldo José de Oliveira, 40, que trabalha com transportes há 22 anos e para quem o movimento não tem um líder. "São uns aproveitadores que não falaram com a gente antes da greve e chegaram agora, quando já estava tudo parado", afirma o caminhoneiro que está parado na av. Anhaguera, Campinas.

"Estou em mais de 30 grupos de WhatsApp e em nenhum aceitaram esse acordo." Segundo ele, os caminhoneiros pretendem manter a paralisação porque o acordo não atinge as suas principais reivindicações. "São 14 itens que a gente nem conhece. O principal é a redução do diesel, mas não essa esmola temporária de 15 centavos." Outro caminhoneiro de 48 anos, parado em Campina Grande, na Paraíba e que preferiu não se identificar, concordou que o acordo não representa os trabalhadores autônomos. "Nenhum caminhoneiro vai aceitar esse acordo.

O Brasil vende diesel para a Bolívia a R$ 1,80 e a gasolina a R$ 2,50. Por que não pode vender aqui também?", questionou. E reclamou de outros pontos que não apareceram no acordo. "Por que só caminhoneiros têm que usar tacógrafo e fazer exames toxicológicos?". Para ele, ou todos os motoristas deveriam ser obrigados a cumprir tais exigências ou que nenhum fosse. "Pagamos R$ 400 para um exame toxicológico, IPVA, diesel caro e ainda temos que pagar pedágio", disse. "Não está faltando nem comida, nem bebida para gente, vamos continuar nas estradas", afirmou o caminhoneiro. Fonte: Jornal Folha de Pernambuco